Home > Clipping > O TIMONEIRO - Sindisaúde cobra Gamp por atrasos de repasses

14/06/2018 - O TIMONEIRO - Sindisaúde cobra Gamp por atrasos de repasses

Confira a matéria original clicando aqui.

O presidente do Sindisaúde-RS, Arlindo Ritter (Crédito da foto: Jornal O Timoneiro)

O impasse entre o Grupo de Apoio à Medicina Preventiva e à Saúde Pública (Gamp) e o Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnicos, Duchistas, Massagistas e Empregados em Hospitais e Casas de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul (Sindisaúde – RS) já vem sendo noticiado pelo jornal Timoneiro desde a chegada do gestor do HU e do HPS a Canoas. O sindicato afirma que ainda não foram resolvidas as pendências envolvendo atrasos de FGTS, de repasse de mensalidades ao sindicato e falta de pagamento de funcionários demitidos.

No início do mês de maio, a direção do Sindisaúde chegou a se reunir com representantes do Gamp. Na ocasião, esteve em discussão o fechamento de um Acordo Coletivo. “O acordo é muito importante para dar segurança aos trabalhadores da instituição”, comentou o diretor de Interior do Sindisaúde, Júlio Duarte. De acordo com o presidente do sindicato, Arlindo Ritter, as cobranças permanecem, mesmo após as negociações: “Não nos remetem comprovantes FGTS, apropriação indébita das mensalidades do sindicato desde que iniciaram as atividades, rescisões contratuais sem pagamento”. Ritter também afirma que já fazem 50 dias que tenta marcar reunião com a comissão de Saúde da Câmara de vereadores da cidade, sem sucesso. Sobre o FGTS, os sindicalistas afirmam que o Gamp tem depositado apenas parte do FGTS: “O grupo [Gamp] fez um acordo com o Ministério Público sem a participação do Sindisaúde-RS, que é o representante legal da categoria. Por isso, a diretoria cobrou o fim dessa prática antissindical”.

O que diz o Gamp

Em nota, o Grupo de Apoio à Medicina Preventiva e à Saúde Pública (Gamp) informa que “a dívida com o FGTS apurada até 2017 foi parcelada junto à instituição financeira responsável pelo serviço e os pagamentos estão ocorrendo mensalmente, uma vez que não podem ocorrer atrasos. A partir da competência de 2018, os pagamentos estão sendo realizados em dia. O Gamp ressalta que está estudando alternativas para acertar as pendências com o Sindisaúde e, nos próximos dias, deve realizar uma reunião com os diretores da entidade para tratar do assunto”.